segunda-feira, 5 de maio de 2008

Sei lá...

São Paulo, 05 de Maio de 2005.

17h25

"Why deny yourself?
Don’t just let life pass you by like winter in July..."


Um amigo comentou que me julgo demais... sou rígido comigo mesmo... serei meu próprio carrasco? Um masoquista inconsciente?

Sei lá...

Sentado em minha cama, olho ao redor e vejo coisas que conquistei por mim mesmo... coisas materiais, mas que vieram em momentos que precisava e consegui... quer seja um simples livro ou um aparelho de dvd... EU consegui...

Fui a um treinamento na minha empresa e lá, no momento em que cada um se apresentava aparecia sempre a frase "espero que vocês (aos treinadores) me dêem motivação e blá... blá... blá..."

Quando fui me apresentar falei: "não vim buscar motivação, pois ela está dentro de cada um, devo sim me focar em algo para me motivar por mim mesmo..."

Me olharam de soslaio porque de certa maneira corrigi aquelas frases feitas... mas não estava errado, pois nós nos motivamos e não os outros a nós...

Isso foi há duas semanas atrás, mas desde então, penso sempre a respeito, pois me dei um tapa... bem dado...

De certa forma, creio eu, me cobro demais... tento ser o melhor... para os outros... e esqueço de mim...

Tento me corrigir, mas ainda sou aquele que busca... que liga... convida... envia mensagens... se faz presente... abdica de algo em favor do outro...

Tenho sido "ingênuo"... para não falar algo mais pesado...

Não estou aqui para fazer o papel de coitado... usado... descartado... Já sou bem crescido e não faço nada obrigado...

Tento não olhar para trás... nas oportunidades perdidas... poderia até usar aquela de "não era hora ainda"... será?

Será que de todos que já passaram em minha vida (calma não sou tão rodado assim!!), realmente nenhum era pra ser?

Talvez(?) a hora somos nós que fazemos... não vou chorar pelo leite derramado, até porque seria muito leite... ou muito choro? (risos)

Creio que só o fato de refletir sobre isso já me ajuda de certa maneira... afinal se erro tenho que corrigir meus erros... e para corrigí-los, devo primeiro entendê-los...

Se bem que ajudaria muito se “você” aparecesse logo... ou voltasse (vai que é um dos que se foram)... “né” pessoinha que está por aí andando nessa paulicéia desvairada... e nem olha ao lado quando passo... (risos)

"There is no special way...
Make the best of what’s given you...
Everything will come in time..."

Greco.

9 comentários:

zenilda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jarbas disse...

uau! uau!
todas as vezes que eu leio seu blog eu admiro você mais e mais.

eu, no meu caso, sou contrario ao seu texto, penso que muitas das vezes eu exijo pouco de mim.

aquela velha história. muito quer, pouco faz.

mas enfim... [riso]

adoro você!
beijos

Bruno disse...

Bom...
Se vc se julga demais, se liberte e se permita errar! Isso é o mais importante!
Não gosto mais de pensar no passado. Se não foi, ok. Se vai voltar, que volte! Mas dê um jeito de avisar, pois não estarei esperando!

Jackson Jr. disse...

a gente é sempre o pior dos juízes, né? mas não convém exagerar.

Goiano disse...

gente do ceu
eu foco em coisas materiais q quero adquirir
entao eu corro atras

Goiano disse...

ai que mal educado...


BEJOSSSSSSS Gregooo
saudade
nem falei nada
uhauauhahu

Râzi disse...

Menino... eu acho que essa da motivação vc está certíssimo!!!

A gente mesmo se motiva!

Beijão!

Anônimo disse...

Há um hiato de três anos na data desta sua postagem. O que você inconscientemente anulou datando de 2005 o que já é 2008? O tempo o angustia? Ou outros fatos? Pense, o passado ajuda-nos a entender o presente; decifrando-o podemos descobrir muito do que somos. Tenho discutido comigo mesmo meu passado e tem sido rico repensar o que passou. Não sem algum sofrimento, mas que supero por um esforço racional de entender-me. Você conhece minha situação atual depois da cirurgia e sabe da angústia que me trai o dia. Parei algumas vezes para pensar e sinto uma estranha sensação de culpa que se verifica agora sob a forma de punição, recordo meu passado e percebo que errei muitas vezes mas já me livrei do sentimento negativo da culpa, sublimei-o na expectativa de poder viver mais livre dos constrangimentos que para mim mesmo criei. Estou a cada dia tratando de um momento passado, tentando com isso compreender-me. Escrevi sobre esse exercício um poemeto:

Nada pergunto
mas quero conhecer neste exercício racional
o passado ignorado que só me pode fazer mal.

Reflito de mim para comigo:

Se tens respostas murmure
silencia o pescador para que o pescado não lhe fuja
o passado é o futuro
a pedra que deixastes no caminho.

A cura de quem és parte de tuas convicções
lá no fundo do teu eu.

Desvenda a pedra
serás dono de ti mesmo.

Um abraço afetuoso, seu admirador F.

edu disse...

Brigado pela visitinha, seu Greco. :-) Não vou cobrar novos textos seus: quando tiver vontade, vai escrever (e o Google Reader vai me avisar). Mas fica aqui um beijão.